Segundo o Sincovat, vendas de Natal devem crescer 6,5% na região

O Sindicato sugere que lojistas estendam os horário a partir desta semana


Segundo o Sincovat, vendas de Natal devem crescer 6,5a regiãoSegundo o Sincovat, vendas de Natal devem crescer 6,5a região (Foto : Divulgação)

Após um ano cheio de restrições impostas pela pandemia do coronavírus, o Natal será a primeira data comemorativa do comércio sem as limitações de capacidade de atendimento e de horário. Isso irá ajudar os lojistas a recuperarem parte das vendas que foram prejudicadas durante os últimos 2 anos.

Segundo o Sincovat - Sindicado do Comércio Varejista de Taubaté e região, a previsão é de um aumento de 6,5% nas vendas deste ano, em comparação ao mesmo período de 2020. Além do fim das restrições, a vacinação deverá ser outro fator positivo para este crescimento.

"O Natal é o melhor período do ano para o comércio e muitos consumidores acabam comprando por impulso. Com 80% da população vacinada e o número de casos bem mais baixo, as pessoas vão circular mais, olhar mais vitrines e, consequentemente, comprar mais", acredita Dan Guinsburg, presidente do Sincovat e vice-presidente da FecomercioSP.

As duas parcelas do décimo terceiro salário, que deverá injetar R$ 1.825 bilhão na economia da região, também ajudam a aquecer o movimento neste período de festas. No entanto, boa parte deste dinheiro será para pagar dívidas, visto que o endividamento das famílias cresceu na pandemia.

Horário estendido

De acordo com a Convenção Coletiva de Trabalho, documento que estabelece as normas do comércio, em dezembro os lojistas poderão estender o horário de funcionamento das 7h às 23h, excerto 24 e 31. Nesses dias as lojas só poderão funcionar até às 18h.

"A Convenção estabelece esses horários, principalmente em razão dos shoppings, que costumam ficar até às 23h abertos. No comércio de rua, normalmente, os lojistas estendem até às 20h a partir do dia 8 e na semana que antecede o Natal esticam esse horário até às 22h", explica o presidente do Sincovat.

Venda por setores

Segundo um estudo da FecomercioSP, dentre as atividades do varejo, o segmento de vestuário deverá ter o melhor movimento de vendas no mês, com crescimento estimado de 28%, ante dezembro de 2020, quando mostrou uma retração de 22%, o pior desempenho entre todas na ocasião.

Já os supermercados (-2%), as farmácias e perfumarias (-3%) e as lojas de móveis e decoração (-5%) devem ser os destaques negativos deste ano. Com relação aos supermercados, é importante ressaltar o contexto diferente em relação a 2020, já que, naquele momento, por causa do aumento de casos de Covid-19, as maiores restrições para as festas favoreciam o crescimento do setor.

Por outro lado, a inflação impactando - em especial, classes baixa e média baixa com mais contundência - limita grandes aumentos nas vendas também de bens essenciais (como visto no segundo semestre do ano passado) e nestes últimos meses de 2021, quando ficou nítida a desaceleração da taxa de aumento de vendas dos supermercados.

anuncio