"Faça por quem VOCÊ gosta"! Feliz Natal

Faça por quem gosta e ama", tira "o VOCÊ", tira "o EU", apenas por um instante, abrace a todos, virtualmente, virtuosamente!


Se pudesse voltar um ano atrás, na semana do Natal, deixaria escrito uma contribuição para 2020, esta frase: "Se VOCÊ não faz o que gosta, faça por quem VOCÊ gosta", ou, se preferir e sentir-se mais poeta: "Se VOCÊ não faz o que ama, faça por quem VOCÊ ama", mas, não é possível voltar atrás, e nem sou poeta. Antes fosse!

O Filosofo Zygmunt Bauman, diz: "talvez o verso que o poeta procura tenha Estado sempre lá" (Modernidade Líquida -2014 ZAHAR), quando fala sobre a obra poética, como forma de "desvelar" o que está oculto (portanto sempre lá), como forma "de derrubar as muralharas" que separam a humanidade. O que me chamou atenção sobre estes pensamentos, são sentimentos do momento em que a humanidade vive, "desvelados" pela Pandemia! 

Neste último final de semana, assisti vários filmes sobre o Natal, revivi muito da minha história, me emocionei, afloraram saudades! Recordei os Avós, Família Reunida, Folia de Reis, os Filhos Pequenos e Presentes, as preparações das Celebrações de Natal (tudo maiúsculo como sempre foram os nossos Natais)! Foi bom trazer à memória, minhas histórias, experiências, mais de cinquenta! Uma mistura de sentimentos!

No intervalo de um desses filmes, minha Esposa Rosangela do meu lado (como sempre), exclama: "Você viu? Como tem aumentado o número de publicações de Lutos nas Redes Sociais? Respondi que "sim, a morte não escolhe, classe social, anônimos ou celebridades, parece ser democrática"! Depois pensei comigo: "como gostaria que muitas pessoas que já partiram, amadas, queridas, estivem ainda conosco, ainda lembrando dos Natais passados", e seguindo, fui além daqueles que foram do meu convívio, e então, exclamei: "imagina, quantas pessoas partiram neste ano de 2020, ou que ainda irão partir, por causa da Pandemia, que iriam viver muito mais"? Muito triste, mortes precoces! Sim é a triste realidade da Pandemia, as mortes precoces...

Um sentimento de pesar, tristeza, e por que não dizer, de medo, incertezas, tomou conta do ambiente! Perdemos Amigos para o Covid-19, tivemos um caso gravíssimo na Família, vivemos de uma forma ou de outra, os tristes efeitos da Pandemia, que serviram, como falado no parágrafo inicial, "para desvelar os sentimentos da humanidade", humanidade de todos nós! Foram ressaltadas atitudes de solidariedade, defesa e promoção da vida, por outro, tudo de pior: corrupção, falta de cuidado e egoísmo, violência em todos os extremos e atentados contra a vida humana...

A vida, não é uma "roleta russa", um revolver armado de uma bala só, de direção certa, onde se gira o tambor, e aperta o gatilho, por achar que se o disparo for agora, "chegou a minha vez, vai chegar mesmo"! Não é? A vida é valiosa, prazerosa, e coragem não está em apertar o gatinho, esperar o venha! Isso é sintoma daqueles que escolhem não sofrer, não lutar, por razões que nem sabem dizer, só sentir, o "flerte" com morte!

Coragem é lutar para que "todos tenham vida" e vida prolongada, feliz (João 10,10)! Coragem é sair fora da "roleta", e desarmado ajudar o outro a desarmar-se, descontruir os muros, abalar os maus alicerces! Coragem é romper como ciclo que pode trazer a morte, principalmente a morte prematura, e morrer de Covid-19, não é morrer prematuro?

No mundo das inversões de valores, o ensinamento está ai! Ter coragem de estar em isolamento, é prolongar, preservar a vida de quem amamos, ou podemos amar, pois vida "é Arte do Encontro"!

Esta humanidade, que caminha para a morte, "pois um dia virá mesmo, pois é para todos", não é a humanidade sonhada e desejada, a partir do Natal, celebrado pela primeira vez nas entranhas da "Gruta de Belém"...

Adversidade, lutas, perdas, desafios, tornam a humanidade mais forte e nos faz evoluir, não é o que dizem? Então 2020, no mínimo tornou-nos mais maduros e humanos, ou não...

Mas então? "Parece que Covid-19, só existe para quem se preocupa, se cuida, e cuida do outro"?  Para os demais, me parece estarem enquadrados na "metáfora da roleta russa", e que pior, não atinge só quem puxa o gatilho, atinge os que estão a volta, e na maioria das vezes, não fazem parte desta "roda"!

Se "VOCÊ não faz o que gosta, ou ama, faça por quem VOCÊ gosta e ama", mas isso é obvio, poderia dizer? Concordo! Então vamos além, afinal é Natal, momento de desvelar a humanidade escondida, como "na Gruta de Belém"! E se VOCÊ, está nessa leitura...VOCÊ é aquele que vai além do obvio...

 "Se não faz, por que gosta ou ama, faça por quem gosta e ama", tira "o VOCÊ", tira "o EU", apenas por um instante, abrace a todos, virtualmente, virtuosamente!

É preciso coragem de acreditar, coragem de mudar: "mudar de palavra, mudar de pensamento, mudar de atitude, e até mudar a crença"! Fé não é objeto em si, é o base da felicidade (tanto que começa com fé) mas isto requer coragem, requer "poesia", sensibilidade de desvelar, "o que sempre está lá"! Amor!

Quando iríamos pensar, que a sua presença, a nossa presença, poderia não ser o melhor presente (Rsrs risos)?

 Quem imaginaria, neste Natal, somos convidados a não ir ao encontro do outro, a ficar em casa? E a "Missa do Galo", "Culto de Natal", "Ceia de Natal", "Viagem", etc.?  É para se pensar...

Então bora lá! Reviver e desvelar o "Mistério da Gruta de Belém", em casa, na sua casa, no SEU coração, afinal "estava sempre lá"!

Perdoe, se misturei as palavras, os assuntos, os sentimentos, Pandemia tem sido assim, desvelando quem somos...

Desejo que 2021, seja o Ano do Abraço, da Vacina, que nos encontremos para construir o que juntos no isolamento de cada um de todos, no amor e respeito, estamos desconstruindo!

Feliz Natal!!!

anuncio