Túmulos mais visitados da região são o destaque no Dia de Finados

No Vale do Paraíba estão sepultados o ator e cineasta Amácio Mazzaropi, o violonista Dilermando Reis, o ex-recordista mundial de salto triplo João do Pulo e o revolucionário constitucionalista Eucldes Miragaia


Finados em 2 de novembro é a data em que o brasileiro visita os jazigos de seus entes queridos para uma comunhão de pensamentos e lembranças. Mas cada localidade tem suas tradições e lendas e vários cemitérios no Vale do Paraíba revelam algumas curiosidades, como por exemplo o túmulo de alguém famoso ou de um alma "milagreira"  e que atraem a atenção dos visitantes.

Jacareí - O túmulo da menina Janaína é um dos mais procurados no dia de Finados na cidade de Jacareí. Ela morreu aos cinco dias de vida, de infecção pulmonar  e está sepultada no cemitério do Avareí. A população da cidade comenta sobre várias graças recebidas.

São Jose - Em São Jose dos Campos, o cemitério do centro tem o túmulo do padre Rodolfo Komorek, que denomina o campo santo. Padre Rodolfo veio da Polônia nos anos 40 para cuidar de problemas pulmonares e sua dedicação aos doentes tuberculosos ganhou a estima do povo joseense. Ele faleceu em 1949 e seu túmulo é muito procurado para pedidos de graças.

No cemitério Padre Rodolfo Komorek ainda estão outros jazigos muito procurados pela população, como a sepultura do Padre Wagner, morto a facadas em 2003 na cidade de Santa Isabel. Também está sepultado nesse campo o revolucionário de 1932, o joseense Euclides Miragaia.

Na zona norte de São Jose dos Campos existe o Cemitério Maria Peregrina. Ela é um dos nomes mais conhecidos do folclore da região e é tratada com santa popular. Passou a ser considerada santinha pelo povo joseense a partir de sua morte em 1964 e dá nome ao cemitério do bairro de Santana.

Caçapava - No Cemitério da Saudade, em Caçapava, está sepultada Ditinha, a "Menina Santa", assassinada pelo tio pedófilo em 1928 quando tinha 8 anos de vida. Na época, diz a população caçapavense, seu corpinho foi encontrado na mata da antiga fábrica da Mafersa, enterrado em uma vala e coberto por folhas de bananeira.

Taubaté - No cemitério municipal de Taubaté, no bairro do Belém, está sepultada Daniela, outra menina a quem são atribuídas muitas graças obtidas pelo povo. Ela morreu em 1990, atropelada aos 7 anos quando seguia para a escola. Seu túmulo recebe oferendas singelas como bonecas, flores, brinquedos, doces e fotos de quem pede ou agradece uma graça.

O Cemitério da Venerável Ordem Terceira, no convento de Santa Clara, também recebe muitas visitas. Um dos túmulos mais procurados é o de Olga Guedes, morta pelo namorado na década de 30, aos 19 anos de vida. Ela é tratada com devoção pelo povo como a "Santinha de Taubaté".

Pindamonhangaba - Os cemitérios de Pindamonhangaba são talvez os que mais recebem visitas de outras cidades, pois são a última morada de importantes personalidades de fama nacional. Um deles está no Cemitério Municipal. O principal deles é Amácio Mazzaropi, ator e cineasta falecido em 1981, vítima de um câncer de medula. Durante todo o ano, o túmulo de Mazzaropi recebe visita de todo o Brasil.

Quase ao lado está sepultado outro religioso considerado "milagreiro" pela população. É o Cônego José Luiz Pereira Ribeiro, morto em 1972. Sua sepultura é visitada durante o ano todo, e recebe pedidos em forma de bilhetes, a maioria pedindo emprego, cura de uma doença e até mesmo casamento.

No Cemitério Santíssimo Sacramento estão as personalidades políticas da cidade. Próximos um do outro estão os jazigos das famílias tradicionais da nobreza cafeeeira como o Barão de Itapeva, Visconde das Palmeiras, Barão de Lessa e outros.

Destaques também para as sepulturas muito procuradas pela população, como as do filho caçula do ex-governador Geraldo Alckmin, Thomaz Alckmin, falecido em acidente aéreo em abril de 2015 e também do ex-recordista do salto triplo, o atleta João Carlos de Oliveira, morto em 1999 e conhecido mundialmente como "João do Pulo", um dos maiores nome do atletismo brasileiro.

Guaratinguetá - No cemitério do Pedregulho, em Guaratinguetá, está sepultado o famoso violonista brasileiro Dilermando Reis. Falecido em 1977, o violonista chegou a ganhar um violão do presidente JK, grande fã de suas músicas. A sepultura de Dilermando Reis é muito visitada e fácil de ser encontrada pois tem a escultura de um violão.

anuncio