Após reajuste dos combustíveis, caminhoneiros prometem parar

Associação de Condutores afirma que greve se torna mais provável após novo aumento


A Associação Brasileira de Condutores de Veículos Automotores (ABRAVA) disse em nota nesta sexta-feira (17) que o Brasil vai "parar novamente" após a Petrobras anunciar reajuste de 14,25% e 5,18%, no diesel e na gasolina, respectivamente. 

O aumento no diesel acontece 39 dias depois do último reajuste, de 8,8%. Já a gasolina estava há 99 dias sem aumento, quando subiu 18,7%.

Com o anúncio, o preço médio de venda de gasolina da Petrobras para as distribuidoras passará de R$ 3,86 para R$ 4,06 por litro. Para o diesel, o valor passará de R$ 4,91 para R$ 5,61 por litro.

A ABRAVA, liderada por Wallace Landim, o Chorão, diz que o aumento se deve à política de preços da Petrobras que vem causando "caos econômico" na sociedade. 

Desde agosto de 2019, o preço do diesel vendido pela Petrobras às refinarias já subiu 168%, segundo levantamento feito pela reportagem com dados da estatal.

anuncio