Filme Taubateano emociona público na estréia

A obra cinematográfica traz à tona histórias de pessoas que vivem e viveram o universo do circo na cidade


O Cineclube "João Batista de Andrade" (Espaço Selvagem), no centro, estava com os trinta lugares praticamente ocupados na quinta-feira, 23 de dezembro. Noite de estreia do filme 'Sorrir é Resistir - A arte circense em Taubaté'. A lista de convidados para a primeira sessão era composta de artistas e personalidades que, de alguma forma, tem ligação com a arte circense, seja no picadeiro, nas ruas ou nos bastidores. Havia familiares dos entrevistados e convidados da produção.

A obra cinematográfica, idealizada pelo cineasta André Ferreira, com direção artística de Luiz Claudio Daniel, traz à tona histórias de pessoas que vivem e viveram o universo do circo na cidade. Foi produzida pela ALFA Produções, com coprodução do Coletivo de Cinema da Cidade, TV Cidade Taubaté, Kilometrarte, Caipira Filmes e Felício Neto, com colaboração musical de Kuka Livre Produções.

Livia Rizzo, uma das fundadoras do Plantão do Riso, projeto que leva a arte da palhaçaria a ambientes hospitalares, avaliou positivamente o trabalho. "É um documentário que conseguiu sintetizar de uma forma muita delicada tudo que a gente falou. Ter essa honra de representar o nariz vermelho, por meio da arte, é maravilhoso". Mirtes Fernandes da Silva é mãe de Rodrigo "Foka". A professora aposentada representou o artista que atualmente está trabalhando em Portugal. "Ele está pelo mundo afora levando a arte, o sorriso e a alegria que sempre teve", emocionou-se.

A assistente social Hilmar Marques, nascida no circo, estava com familiares e a mãe Hilda Barboza Marques, ex-proprietária do Golden Circus, nas primeiras fileiras. "Eu fiquei muito emocionada. Muito obrigado pela homenagem que fizeram especialmente a minha filha", disse Hilda, carinhosamente conhecida no segmento como 'Mascotinha'. O circense Jurandir Marçal chegou a tempo de participar do debate após a exibição do documentário. "Fiquei muito contente. Acho que foi a primeira vez que a gente foi 'reconhecido' como artista", destacou.

O curta-metragem tem, ainda, entrevistas com Palhaço Cascão, Homem Montanha (Reis do Ringue), Mágico Samuca, Rogério Lauria (Master Bikes), Gustavo Nunes e Eleni Alves (Las Vegas Circus). A realização do projeto tem aprovação do Edital PROAC Expresso Lei Aldir Blanc nº 58/2020 (Prêmio "Neide Rodrigues Gomes" de Patrimônio Imaterial, Cultura Popular, Tradicional e Urbana). O trabalho tem o apoio do Governo do Estado de São Paulo, Secretaria de Cultura e Economia Criativa, PROAC (Programa de Ação Cultural São Paulo), Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo, Governo Federal, Lei Aldir Blanc.

anuncio