Museu de São José dos Campos comemora o Mês do Folclore com programação virtual

O educador Tião Rocha (foto capa) ministra palestra dia 5 de agosto


Quais são as nossas referências culturais ligadas, principalmente, ao ambiente familiar, aquelas que dizem respeito à transmissão dos saberes populares, seja pela observação natural dos fazeres ou por meio da oralidade? Estes são alguns dos questionamentos que norteiam as atividades que o Museu do Folclore de São José dos Campos programou para comemorar o Mês do Folclore.

A programação será toda virtual e direcionada a professores e alunos, devendo se estender entre os meses de agosto e setembro. Estão previstas uma live (dia 3), uma palestra (dia 5), inventário participativo com alunos, visita virtual ao museu, criação de um site específico sobre o tema e uma exposição temporária para exibir os trabalhos produzidos durante este período.

Segundo explica a museóloga Mariana Boujadi, do Museu do Folclore, essas referências culturais, tanto num âmbito individual quanto coletivo, estão intimamente ligadas às inter-relações geracionais. "São tradições e signos que conectam indivíduos com as pessoas mais velhas da família ou com seus antepassados distantes, como forma de perpetuar ou ressignificar algo", ressalta. 

Programação

Dia 3 de agosto, 19h
Live: Além da mula sem cabeça: Exposi-Ação. Transmissão: YouTube do Museu do Folclore e do Parque Vicentina Aranha.
Mediação: Francine Maia.
Participações: Angela Savastano, Mariana Boujadi, Maria Angélica Perez, Tiane Tessaroto e Renata Sparapan.

Apresentação da proposta da programação deste ano, do e-book "Além da mula sem cabeça" (produzida pela equipe do Museu do Folclore) e do site do Mês do F. Transmissão pelo YouTube do museu e da AFAC (Associação para o Fomento da Arte e da Cultura), que está apoiando as atividades

Dia 5 de agosto, 19h
Palestra: Tião Rocha. Transmissão: YouTube do Museu do Folclore e do Parque Vicentina Aranha.
Mediação: Tiane Tessaroto

A palestra destacará o fato de que a matéria prima para todo processo de aprendizagem envolve as pessoas, seus saberes, fazeres e quereres. Tião Rocha é educador, folclorista e antropólogo, criador do CPCD (Centro Popular de Cultura e Desenvolvimento) e do Banco de Êxitos Solidariedade e Autonomia. Autor de obras sobre desenvolvimento cultural e comunitário e membro de várias organizações de fomento e iniciativas na área.

anuncio