Os full-backs voadores: Quão bons foram Dani Alves e Roberto Carlos na Champions League?

.


O papel de fullback foi revolucionado nos últimos anos. O jogo está sempre evoluindo e a nova era dos dirigentes tem assegurado que cada posição em campo tem um propósito claro para ganhar os maiores prêmios. Especialmente na Europa, os fullbacks estão tendo cada vez mais influência no terceiro lugar final, em termos de jogo build-up e criatividade. Basta olhar para o número crescente de assistências dos defensores na Champions League para ver o que queremos dizer, e a final deste ano não é diferente.

O Liverpool enfrentará o Real Madrid no Stade de France, em Paris, e enquanto a maioria das apostas esportivas está lutando para escolher um favorito claro, os laterais de ambos os times podem se mostrar influentes. Trent Alexander-Arnold pode ter um momento difícil contra Vinícius Júnior, com o brasileiro em busca do primeiro troféu da Champions League, enquanto o compatriota Marcelo perdeu seu lugar para Ferland Mendy nos últimos meses, mas ainda pode ganhar uma quinta medalha de campeão. O jogador de 34 anos é um dos defensores mais condecorados da Europa, mas como ele se compara aos melhores fullbacks do Brasil para ter disputado a Champions League?

Gostos como Cafu e Rafinha também levantaram a taça da Europa nos últimos anos, mas Dani Alves e Roberto Carlos são amplamente considerados como os melhores a terem agraciado o torneio, sendo o primeiro, na verdade, o jogador de futebol mais bem sucedido a disputar o jogo em termos de troféus. Vamos dar uma olhada em suas carreiras e estabelecer exatamente o que os tornou tão bons.

Dani Alves

Além do grande número de troféus que ganhou, Dani Alves de certa forma redefiniu o que significava ser um direito de volta, com sua poderosa corrida e habilidade em posse instrumental para o lado de Barcelona de Pep Guardiola. Estabelecendo um grande relacionamento com Lionel Messi, o brasileiro bateu no chão correndo depois de se juntar ao Sevilla, ganhando três Ligas dos Campeões na Catalunha. 

Seus melhores anos de cana no Barça - ganhando a Copa da Europa em 2009 e 2011, ambos contra o Manchester United, onde a Betfair os tinha como claros favoritos. Ele então acrescentou um terceiro em 2015 após vencer a Juventus em Berlim, antes de se transferir para Turim em 2016, onde chegou à final em sua única temporada com a Velha Senhora, mas ficou aquém do Real Madrid. 

Roberto Carlos

Abençoado com uma varinha de condão de pé esquerdo, seria fácil ser enganado pela baixa estatura de Roberto Carlos, especialmente no início de sua carreira em uma época em que os fullbacks eram menos móveis, mas a energia e a ameaça de ataque do brasileiro o fizeram das melhores costas esquerdas do mundo durante seus anos de pico. Ele conquistou três títulos com o Real Madrid depois de se mudar da Inter de Milão em 1996, conseguindo manter seu lugar no time apesar da obsessão dos Galácticos por Florentino Pérez.

Seu primeiro título veio em sua segunda temporada em Madri, quando o Los Blancos superou a Juventus em Amsterdã, depois somou ao total com duas vitórias em três anos - derrotando o rival espanhol Valencia por 3-0 em 2000, e depois superando o Bayern Leverkusen no Hampden Park, em um jogo mais lembrado pelo espetacular voleibol de Zinedine Zidane, pelo qual Carlos obteve as assistências.

anuncio